azlyrics.biz
a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 #

contrafluxo – nanquim (remix) lyrics

Loading...

letra de “nanquim (remix)”, por contrafluxo

[intro: sample]
“contrafluxo”

[verso 1: ogi]
na mais perfeita construção de frases
rimadores perfilados, destacados, como indomáveis ases
notáveis num jogo de palavras onde demonstro habilidade
navegando sobre as cristalinas ondas da sonoridade
adentro seus ouvidos sem pedir licença
e prova de que nessa não sou só mais um, comum
pois enfrentar, fazer história, buscar glória, e mudo o rumo
pra que, um dia, o verso seja um grande sonho de consumo
pra que seja o supr-ssumo
é dentre os mestres que eu conduzo a cerimônia
e dentro dessa apodrecida babilônia
eu me mantenho honrando a sigla
imbatível, como allan quatermain e sua extraordinária liga
eu sigo tranquilo quando a pressa se coloca em meu caminho
sozinho, me pego pensando
depois vejo que, por melhor que o verso seja
e por melhor que o verso seja
terá sempre um perverso
esperando decepar a minha cabeça
pra servi-la como trunfo em sua bandeja

[verso 2: mascote]
e é evidente a diferença entre quem observa tudo
e quem somente vê o mundo p-ssar em questão de segundos
sem qualquer objetivo ou projeção pro futuro
sem ação, sem noção, sem razão no escuro
cercado pela estupidez, amplio os horizontes
e de quem causa intrigas, vende brigas, tem de monte
adiante, os que conspiram com a morte
como fizeram com césar
apunhalado por aquele que, na tua frente, reza
aqui se pesam inovações frente ao que é imposto
com o semblante da bondade estampado no rosto
e com o resvalo do hemisfério, desafiam as alturas
quebrando paradigmas, a desprezada cultura
com a manada na contramão da ignorância
a cada p-sso, o espaço avança
na aquarela da bonança, tarsila dança
em frente ao quadro que cria
memórias pairam no sentimento de euforia
pois é no verso que me expresso e a bênção peço
quatro mcs do subsolo, longe do regresso
é sempre aqui, saca a jogada e sai na jornada
na pauliceia desvairada, contrafluxo e manada

[refrão x2]
erros não se apagam, como se fosse nanquim
a sua vida só é uma bosta se você ‘tiver a fim
a esperança vale mais que ouro ou marfim
contrafluxo e manada, a união que não tem fim

[verso 3: oga mendonça]
entre sorrisos fugazes e apertos de mão sem firmeza
no comp-sso da base, me bate a incerteza:
será que o povo saca que a parada é verdadeira?
entre olhares perdidos e beijinhos no rosto
pilhas de livros lidos, filmes de mau gosto
será que eu deveria levantar alguma bandeira?
sem engajamento, meu compromisso é com a poesia
meu instrumento é a palavra
como os astros são da astrologia
o reconhecimento em cada c-mprimento sincero que recebo
quando invento um jeito de falar de algo novo que percebo
de forma rimada, em cima de uma base programada
às vezes, parece piada, surge alguma rima engraçada
e nêgo não ri; nem todos possuem as referências que colhi
eu sei, isso não me frustra, não me desanima
pra obter o sucesso, você tem que ficar em cima
nipônica obstinação, a teimosia criativa
com um pedaço de carvão, tornar a vida colorida
tirar inspirações de lições aprendidas
ou porradas levadas
presepadas vividas ou lorotas contadas
eu sei: quando morrer, não vou levar mais nada
por isso, deixo as minhas impressões aqui gravadas

[verso 4: dejavu]
a arte do poeta urbano é valiosa como marfim
-ssim como não se apagam as linhas tracejadas em nanquim
lutando em batalhas ideológicas a favor da plebe, enfim
muitos não avaliam, se dão conta sobre as questões
lógicas, intrínsecas em canções
ou no poder das mesmas em unir separadas nações
alusões feitas porque muitas respostas:
algumas não tenho, mas outras possuo
me incluo no seleto grupo de neo-trovadores, concluo
sou um dos poucos que, como muitos, vagam em silêncio
separando-se dos amadores (huh!)
valores que guardo a sete chaves no peito
mesmo -ssim, meu senso crítico questiona-me
se faço rap bem-feito
só apenas -ssim, desse jeito
const-tuído de pensamentos e emoções
me apontam o dedo e os devolvo cinco cravados em punho
os mesmos que não julgam o livro pela capa
ou, ainda, os que falham comigo na vida
no verso, dou apenas p-ssagem de ida
mcs sempre do contra, contra os que se limitam
tiraram a oportunidade de quem luta com garra
se apegando apenas à verdade
mas a realidade é outra, senão uma muralha
que te faz repensar at-tudes
levando a -n-lisar as próprias virtudes
mesmo que a missão seja defender ou enfrentar rostos rudes
permaneço no anonimato, em tese
simplesmente incompreendido
onde muitos contam comigo
juro: se for pra ser, será, e do futuro não sei
só sei que valeu lutar em minha vida por tudo que acreditei

[outro: sample]
“pago um pau”